terça-feira, 8 de maio de 2007

Minutes to Midnight by Linkin Park


Após quase quatro anos sem lançar nada de novo, e envolvidos durante grande período dentro de um estúdio junto à um dos maiores e mais reconhecidos produtores da atualidade, a banda californiana Linkin Park lançou no último dia 15 de maio o novo álbum de inéditas intitulado Minutes to Midnight. Para infelicidade dos músicos, o álbum vazou na internet dez dias antes da data marcada, e o DM traz em primeira mão à vocês uma crítica não especializada definitiva sobre o álbum...

Durante o tempo em que passaram no estúdio junto ao badalado produtor Rick Rubin, a banda por meio da internet, divulgava notas e notas referente a maravilha que seria o terceiro álbum de inéditas da banda. Além disso, a descartação do gênero que perseguia a banda desde sua estréia, o chamado New Metal, parecia enfim estar com os dias contados. E eles estavam certos.

Minutes to Midnight é totalmente o contrário do que se esperava em relação ao estilo do Linkin Park. Berros e mais berros, distorções, eletrônica ao máximo e raps bem movimentados, passam um tanto longe desta nova fase da banda. É até difícil dizermos que estilo a banda agora pode ser classificada. Uma certa evolução dos integrantes é prontamente percebida, mas nem de todos. O baterista Rob Bourdon exaspera talento no trajeto do cd, especialmente na forte No More Sorrow, em que sua bateria faz o nosso coração bater de tensão e raiva (objetivo da politizada música). Outro que enfim mostra o seu talento de rockstar é o guitarrista Brad Delson, que se destaca com solos e arranjos maravilhosos, como o do início da já falada N.M.S. Aliás, em boa parte das músicas, parecemos estar ouvindo o grande Jonny Buckland (Coldplay) nas guitarras, tamanha diferença de estilo e qualidade. Talvez Delson e Bourdon seja os integrantes que mais mostraram evolução e talento no M2M. Shinoda, Bennington e Phoenix continuam mandando bem, mas sem se destacar. Mérito ao Mike pelo conjunto da obra, papel fundamental ao cérebro da banda. O Dj Mr. Hahn foi o que menos apareceu. Sua participação no cd é rara assim como os raps do Mike, e isso não é de longe um ponto negativo.

Influências há tantas que chega a ser difícil diagnostica-las: A mais provável e quase entregue é a baladinha gostosinha Shadow of the Day, que sem dúvida ficaria ótima na boca do Bono Vox e banda. The Little Things Give You Away também lembra muito U2, o que já começa a preocupar.

Mas calma àqueles viciados no Meteora e Hybrid Theory, ainda há berros e raps... Temos Given Up, uma música forte e pesada, mas que não acrescenta em nada nesta nova fase da banda. E temos também a louca Bleed it Out, um ótimo som frenético e viciante, que lembra com uma bela nostalgia o antigo Linkin Park. Mesmo estando um pouco apagado dos vocais, Mike Shinoda ganha duas músicas em que canta sozinho: a suja Hands Held High e a boazinha In Between. Com um rap digno de um b-side de seu trabalho solo (Fort Minor), HHH torna-se não só a pior música do cd, como também uma das piores das oficiais lançadas nos dois álbuns de inéditas. O belo arranjo e a letra maravilhosa, salvam a música. In Between mostra um lado do Mike diferente, mas nada de exuberante, apenas normal.

Em Minutes to Midnight, temos a chance de conferir letras maravilhosas, oras politizadas oras sentimentais. As letras são sim um ponto alto do álbum. Mostra uma vertente até então desconhecida do grande público, mais que o Linkin Park sempre manteve: o lado humanitário, como é mostrado na linda The Little Things....

A matéria de capa e cuidados com este cd, foram louvável. Tudo muito belo, todas as versões lançadas. Mesmo assim não pense que você encontrará aqui uma obra-prima ou um clássico, pois não irá. Mas a banda está caminhando certo em rumo disso.

Uma dica para curtir o cd é: não lembre que é Linkin Park tocando, imagine outra banda, sei lá. Pois a mudança é radical, mas muito bem vinda.

Minutes to Minight foi sim o melhor álbum lançado da banda. Se vai fazer sucesso? Ainda é cedo para dizer. Os integrantes arriscaram muito neste audacioso projeto. Mas, nesta semana de estréia (14/05 em diante), o álbum vendeu mais de 600 mil cópias, já sendo considerado o álbum que mais vendeu na estréia em 2007. É o efeito Linkin Park... é aguardar para ver para onde esses minutos levarão a banda.

.3 estrelas de 5.

As cinco melhores do M2M :

  1. No More Sorrow
  2. Valentine´s Day
  3. What I´ve Done
  4. The Litlle Things Give You Away
  5. Leave Out All the Rest
Link Download: http://rapidshare.com/files/29424093/linkinpark_minutestomidnight_tiago.rv.rar.html




25 comentários:

Ly disse...

Putz....eu sou mulher, portanto tenho sérios problemas com algumas coisas básicas como dirigir e etc...mas sou boa em outras tantas...não tá entendendo nada....então eu nunca guardo nomes de cantores, album....mas as músicas eu conheço sempre todas..e putz, amo as músicas deles...mas se me perguntar o nome....affffff

Tô invadindo aki e lendo

Ly

Caio Flávio disse...

Mais uma banda com essa história de demorar uns bons anos pra lançar um cd..! Acho que tanta expectativa deixa os fãs meio perdidos!
Já fui uns do que gostaram de LK no auge, e depois me desapeguei dessa banda, vai ser bom o que eles fizeram de novo!!
Abrços.!

Fábio disse...

Não sou fã do Linkn Park, mas gosto de ouvir algumas músicas na hora da raiva ou falta de ânimo. Enfim, ouço pouco.

Agora, já que tu falou pra não ouvir esse CD com a imagem do antigo LP, será fácil pra dar uma boa analisada e curtir as músicas.

Bom, veremos o que está por vir, pois a Given Up, realmente, está bem parecida com as antigas.

Abraços

William Assis disse...

Sinceramente não gosto de Linkin Park, mas você escreve bem.
Gostei do post anterior sobre o Enéas!

Rafael Barbosa disse...

Cara, é sempre assim quando alguma banda muda o estilo do seu som. O novo assusta. Muitas bandas que eu sou fã, mudaram seu som ao longo dos anos, mas o certo é vc entender que bandas amadurecem, o som amadurece, o que era a realidade deles em 2000, 2002 por aí, não é mais a realidade hoje em dia.

Não gosto de Linkin Park, mas ouvi falar que esse cd se sai bem no quesito protesto!

abraço!

L.S. Reis disse...

Então os caras estão de volta! Nossa, era fã do Linkin, fã de camisa e tudo, mas parei de acompanhar a banda desde quando o Chester arrebentou a garganta num show aí! Desde então não soube mais nem se o coitado tava vivo, rs... Acho que passei a escutar músicas e estilos diferentes... Mas depois dessa crítica "não especializada" (COF! COF!) vou tentar dar uma conferida! ^^
abração

Henrique Fogli disse...

Concordo com o William! Se bem que não desgosto tbm...

2 minutes 2 midnight! To kill the unborn in the woooooooooomb!!!

Up the Irons!

huahauhuha
Abraço!

Alex Costa disse...

Olha eu aqui de novo!
Como as paradas vazam assim antes do lançamento?
Só pode ser marketing!
parabéns pelo post

Abração

A.J. MARTIN disse...

Quanto tempo hein, sr Diego!
heheheheh
Poie é, eu não entendo essa mania de camaleão que tem esses artistas americanos; acho que por Madonna ser o que ela é, criou-se uma certa fantasia em mudanças que alavancam carreiras... eu não sei não... prefiro o Linkin Park de antes.

Tiagho Diniz. disse...

Olha Diego.
Minutes to Midnight, com todo respeito mas eu prefiro o 2 Minutes to Midnight do Iron Maiden

hahahahahaa.

P/ quem gosta do Linkin Park deve legal esse momento de estreia.

Polly disse...

Olá, me perdoe pelo atraso... rsrsrsrs
Olha, babei no seu post sobre o Linkin Park, pois há uma semana estou preparando um, só que ele está muito emocional (fã de coração mole é assim!), já o seu está bem mais frio, sério, crítico, amei!
Amo as músicas: What I´ve Done, Valentine´s Day, In pieces e No more sorrow... Mas a minha queridinha é Given up... (berrooos!)

G-lmar Gomex disse...

eu só ouvi what i've done até agora...
gostei dela.

acho que tem que inovar mesmo.
linkin park é bão.
seu blog tb é bao...
bem informativo.

Lord Sarubiano disse...

Chegaram, fizeram um sucesso enorme e depois sumiram. Total descaso com os fãs. mas são muito bons. Vamos ver o que virá.

Jeff McFly disse...

Muito bem Diego!

Fazendo mercham e disponibilizamdo o link do Link.

uhauhauahuahuahua! Trocadilho sem graça.

É assim mesmo. Valeu, boy.

Danilo Feldman disse...

Blog ta bombando hein... xD


belo pot e vlwww pelo download ... perfeito

L.S. Reis disse...

Caramba, que incrível, você falou uma coisa que eu vivo repetindo: "se nada der certo, eu viro hippie!" HuaHAha
O ramo tá difícil mesm... Mas, nunca se sabe! Tenhamos esperança ^^

Puxa, quanto à palestra, essa semana meu irmão veio me falando alguma coisa a respeito de um cara sinistro que ia lá no Cefetes. Falou que era alguém que tinha conhecido o Che Guevara, coisas do tipo (!). Mas não soube me explicar nada direito, nem o dia, e eu nem sabia do que se tratava, aí acabei esquecendo... Perdi mesmo, e uma grande oportunidade... :S
Na verdade até agora não sei muito bem do que se tratou. É verdade que o sujeito conheceu o Che ou não tem nada a ver com o resto da história e eu tô viajando?

Bom! abraços, rapaz

Marcio Pimenta disse...

Muito bacana teu texto. Gostei mesmo. Mas não curto a banda, devo confessar...

Omar disse...

Putz, eu sou fanzaço do Linkin Park, pena q eles deram uma sumida.

Ana Paula disse...

não sou fã do LK, mas meu irmão adorou o post! ele adora!

Diego Moretto disse...

Bom, devo lembra-los que este post é provisório... o definitivo saíra assim que eu receber o meu M2M. Mas, como já vazou, já sabemos o que vem por aí.. Bom, devo confessar vcs que já estou viciado. O cd, tirando HHH é prefeito. To ouvindo todo dia. Sou favorável a mudanças. Foi assim com o silverchair, com a carreira do Chris Cornell, e agora o Linkin Park- todas as minhas 3 bandas favoritas. O Green Day tbm surpreendeu com o ótimo American Idiot. Sou favorável a mudanças. Penso que quem não gostou do álbum porq "não é LP", deve abrir mais a mente. Achei que foi evolução sim. Torço para que sigam este parâmetro de música. Deixar o rap um pouco de lado foi o melhor q fizeram, sem dúvida. Bom, é esperar para vermos o resultado. Infelizmente os minutos foram adiantados...
Obrigado a todos pelos comentários, voltem sempre. Grande abraço!!!

Éden Santana disse...

sou um dos desesperados que não agüentou esperar o lançamento oficial e baixou o novo cd do linkin park pela internet. e a sensação que tive qdo ouvi pela primeira vez é exatamente a q vc descreveu. não é a mesma banda dos outros cd's. no começo não gostei, mas agora estou pensando q até vale a pena comprar o cd qdo sair. a comparação com u2 nessas duas faixas q vc citou e realmente inevitável; os arranjos e os 'oh,oh' no fim da 'the little things...' me lembraram 'with ou without you'. o q achei positivo nesse cd é a pitadinha de preocupação com problemas do mundo, como aparece em hhh e tb, me parece , em 'no more sorrow'. mesmo q não seja totalmente legítimo, acho importante uma banda com alcance global como o lp mostrar isso em suas músicas.

só discordo de vc em uma coisa: hhh é mto boa. acho q por ser uma das poucas músicas com o mike e pela letra, acabei me apaixonando por ela.

sucesso na sua 'carreira jornalística por uma Universidade federal'. gostei do texto!

paulo disse...

mt bom kra, so viciado em lp

Dust disse...

www.google.pt

pesquisa: "minutes to midnight 15 de maio critica"

foi assim k aki cheguei! parabens pela critica! mt boa! espero ler mais assuntos serios por aki! tas nos atalhos! abraço

André Lopes, Rio Maior, Portugal

Igor Lins disse...

Excelente crítica!

Agora, para o Linkin Park, é só aguardar o resultado de tamanho trabalho e ganhar muito dinheiro...

Anônimo disse...

putz sou fã incontestavel da banda lp
e na minha humilde opnião esse ultimo album foi um dos melhores
graças a mudanças no estilo.Pq ja tava cansado de ouvir sempre aquela mesma gritaria de sempre tava querendo ver o lado mais calmo mai humano,intende?!?!E sinceramente não gostei
do seu comentario dizendo que hands held high e a pior musica do album
foi sm umas das melhores pq houve a mudança de vozes acostumado com a voz de chester ouvir mike como voz principal foi uma surpresa(boa).