domingo, 26 de agosto de 2007

“O desafio de se conviver com a diferença”















Olá galera!!
Bom, como todos sabem, hoje foi o dia da aplicação da prova do ENEM, que estava ridícula este ano. Abaixo trago-lhes a cópia fiel da minha redação. Bom, o tema é o título, espero que eu vá bem, hehehehe. Abraços!!
Diego Moretto

Desde a construção de uma sociedade civilizada, aceitar diferenças – sejam elas econômicas, religiosas ou culturais-, ocasionalmente sempre foi uma tarefa mal sucedida, defeito esse que inúmeras vezes foi o propulsor de sangrentas guerras e, ainda hoje, motiva vergonhosas demonstrações preconceituosas.

Mesmo tendo na história geral de nossa sociedade, exemplos cruéis de preconceitos que foram responsáveis por grandes tragédias – como o Holocausto-, ainda vivemos sob um sistema em que não há oportunidades e aceitação para todos, devido a dificuldade de se conviver com certas diferenças. Países desenvolvidos, como França e EUA, são vistos pelos imigrantes como “terras de oportunidades”, e assim, buscam nesses países uma melhor condição financeira, já que a situação de onde prouveram, não é das mais fáceis. O problema é quando esses países de primeiro mundo adotam atitudes xenofóbicas. Em 2007, na França, novamente o caos se instalou com vandalismos e protestos por parte dos franceses, que exigiam a expulsão e não-aceitação de imigrantes. O presidente francês Sarcozy – cujo pais não são franceses-, anunciou que uma das metas de seu governo será diminuir o fluxo de imigrantes que entram no país. Nos EUA, o preconceito contra árabes e latinos, por exemplo, é manifestado abertamente entre a população americana, semelhante à sofrida pelos negros há algumas décadas no país. No Brasil – um dos países com a maior diversidade cultural do mundo-, a aceitação de diferenças da sociedade, não é muito corriqueira. Temos um maldoso repulso aos nordestinos em São Paulo, a ação dos chamados “skinheads” contra negros e homossexuais no sul, além de exemplos como atear fogo à um mendigo e espancar uma empregada doméstica.

Sendo assim, é triste saber que mesmo vivendo em uma sociedade avançada como a nossa, há diversos exemplos de preconceitos arcaicos, semelhantes àqueles que ficaram marcados na história de nossa civilização por meio de histórias cruéis. O Brasil, que deveria ser o país com a cultura mais linda devido a diversidade, tornou-se o país da desigualdade social e econômica. Em âmbito mundial, alternativas de conscientização – com ajuda da ONU-, poderiam ser repassadas à todos os países, para que se tente combater a xenofobia. No Brasil, programas governamentais que buscam oportunidade à todos, poderiam ser colocados em prática, junto à empresas e à população. Além, é claro, da educação de nossa civilização, começando com as crianças, ensinando a aceitar as diferenças e que todos nós somos iguais perante a lei, para que assim, no futuro, possamos desfrutar de uma sociedade mais justa e igualitária.

NOTA: 92, 85 PNTS.

35 comentários:

Henrique disse...

ai...simplesmente falo tudo o q tinha p dizer, com certeza e um notão. c comparada com a minha, hsuahsuahua!!!, a sua e incrivelmente superior...shaushahsa!!!

abracera brow...
vlw!!!

antonoly disse...

Boa redação amigo, tem boas chances de se dar bem!
www.blogantenado.wordpress.com

Caio Flávio disse...

A sua redação mostrou que você não é um simples participante de fatos, mas sim mostra que você tem opinião e sendo boa ela para saber que cada assunto relacionado a preconceito pode ser discutido com vários exemplos em diferentes países mas como você disse:

"ainda hoje, motiva vergonhosas demonstrações preconceituosas."

E a nota da tua redação vai ser boa cara.....

abraços

Mumu disse...

muito boa velho :D

Rafael Filho disse...

Escreve muito bem cara... deve tirar um 10! Parabéns!

Diego Rodrigo disse...

Pow se você não tirar a nota máxima, vai ser bem próxima...

Agora estou criando espectativa para o ano que vem, quando será minha vez...

Ah!! Concordo em todas as suas palavras, mas principalmente quando toca no ponto de seres que se julgam "desenvolvidos", estes são quem mais se diferenciam aos demais. Aqui no Brasil, por exemplo, um nordestino e nortista em São Paulo são sinomimos de chacotas, eu me sinto muito ofendido quando falam que na minha rua tem jacaré! Logo esse seres desenvolvidos, que deveriam ao menos saber que não existe jacaré em ruas...


...


Muito boa sua redação.

P. Florindo disse...

Sua redação ficou ótima. Falou sobre o assunto com segurança e quem a ler vai perceber que você é uma pessoa atualizada. Você só cometeu uma gafe: não existe mais o termo "país de primeiro mundo", já que o socialismo (segundo mundo) ruiu junto com a URSS em 1989.

Eu até entendo de as medidas do EUA e da França. Esses países não tem a obrigação de abrigar os imigrantes, já que não são nascidos nesses países. Li num livro de Geografia que querem uma França para os franceses, um EUA para os estadunidenses, um Reino Unido para os britânicos... O imigrante vai lá e "rouba" o emprego dos nativos por sujeitar-se a trabalhar por um salário menor. Agora sou totalmente contra a xenofobia, pois violência não combina com a cultura de países desenvolvidos.

Achei extremamente inteligente você ter falado sobre as crianças. Elas precisam ser aducadas a aceitarem as diferenças e que preconceito é coisa de gente subdesenvolvida.

Jéssica disse...

Se o ENEM julgar só pela redação pode ter certeza que vc foi muito bem!
ótima abordagem do tema!

Danilo Moreira disse...

A sua redação ficou bacana. Eu tb escrevi algo tipo a gente evoluiu mas ainda tem preconceitos...etc... Gostei do tema desse ano pq é um assunto mais fácil é nao leva em conta o seu conhecimento sobre o tema mas o seu ponto de vista sobre algo que nós vemos todo dia.

Vamos ver no que vai dar esse ano nao é?
Boa sorte para nós!!!

Abraços!!!!!

-----------------------------------
http://emlinhas.blogspot.com/

EM LINHAS...
Quando as palavras se tornam o nosso mais precioso divã.

Novo texto: Entre Asfalto e Paredes
-----------------------------------

tati disse...

Primeiro: boa sorte no exame!
Segundo: muito boa a redação! Grandes chances de boa nota!

Abs

Bruno R.Ramos disse...

Tu escreves muio bem, tchê!
Felicidades no ENEM!

Larissa Bohnenberger disse...

Gostei bastante da redação!
Espero que dê tudo certo!
Bjs!

Dona Ju disse...

Não falaria no holoscausto,mas sim sobre o momento da nossa história quando se matou muito mais que no momento citado: a invasão européia na América Latina.
Enquando mataram judeus em camaras de gás aos montes, na América Latina mataram em nome de Deus mais de 200 milhoes de índios a pauladas e nenhum museu foi erguido para tal feito!

Em nome de Deus houve mais mortes que todas essas que você citou. Não é uma hipocrisia?

Ia falar de mais atras da história...
Seria desse falso moralismo que eu falaria, dessa forma de impor moldes nas pessoas e exclir qm nao os segue. Se de quem nós esperamos piedade, justiça e solidariedade vem exemplos como esses, eu nãosei o que seguir.

Esse é um tema que eu escreveria muito,pq a história da Humanidade é uma história de horror.

Fábio C. Martins disse...

Parabéns pela redação, está muito boa. Tocou nos pontos chave para o tema proposto.

Só torcemos para que tenha ido bem e que tire uma boa nota.

Abraços e boa sorte.

Vinicius Grissi disse...

Bom texto! Acho que a boa nota está garantida...hehehehe

Boa sorte!

Se curtir esporte, dê uma passada no meu blog.

Marcação Cerrada
http://cerrada.blogspot.com

Abraços

Henriquezoviske disse...

Muito boa a sua redação.
A minha eu creio ter anulado, pois fugi (sem querer) do tema um pouco.
Parabens.
;)

[e pra completar, acertei apenas 39 questões ¬¬]

Leonel disse...

Mandou bem na redação.
boa sorte

Mariane Monteiro disse...

POxa, nota dez menino. Parabéns. Belo texto. abraço.

Lilah Poynter disse...

Ah, sua redação ficou ótima ^^
nha, naum fiz enem este ano, soh ano q vem agora
uahuashusa

espero que vc tenha se saído bem =}
=*

Dragus disse...

O preconceito sempre vai existir, pelo menos até o momento em que nossa sociedade se pausterizar e todos serem programados para serem de determinado jeito.

Estamos nos aproximando disso.

Ps: te indiquei a algo no meu blog.

Fred Rangel disse...

SOMOS DIFERENTES, MAS SOMOS IGUAIS.

Romper as fronteiras que distanciam os homens dos seus semelhantes, iguais na essência, diferentes, porém, pela classe social, pela cor da pele, pela etnia, pela cultura, ou pela religião, é mais do que um desafio que nos impõe a consciência cidadã, é um dever explícito, na medida que assumimos o desejo individual e coletivo por um mundo melhor.

Somos iguais, mas somos diferentes, ou somos diferentes, mas somos iguais?
Um grande aprendizado poderíamos extrair se compreendêssemos a inversão de significado que a frase invertida nos aponta.

Há uma paisagem triste no “Brasil social” que urge ser destruída, marcada pelo preconceito, pela discriminação e pela intolerância ao próximo.
E por mais que repudiemos a intolerância exacerbada, cada vez mais flagrante numa sociedade que se autoproclama civilizada, praticada por bestas insanas que ateiam fogo em índios e mendigos, que torturam prostitutas, que se agridem em arquibancadas, e cospem palavras na religião alheia, o fato é que não aprendemos ainda a conviver com a diferença, que enxergamos nos negros, que enxergamos nos homossexuais, nos deficientes físicos, mas, sobretudo, nos pobres.
Não é porque somos contra a barbárie que não exercemos também a intolerância; o fazemos, frequentemente, nos pequenos flagrantes do dia-a-dia.
A geografia social expõe as nossas próprias feridas, os tristes traços que são de nossa autoria.
Não há como negar as linhas fronteiriças que a hipocrisia humana sempre fingiu combater, que geraram vítimas e culpados que retratam o que desde sempre somos.
Não podemos negar os desafortunados cuja convivência a espúria nobreza flagrantemente renuncia; se pobres e negros, ainda pior.
Esqueçamos, desde já, o jogo sujo que sempre fizemos , da dissimulação e do disfarce, na convivência com os desiguais; não há mais como esconder que os filhos da miséria também são nossos.
A sociedade os vê como lixo, esquecendo, porém, ou fingindo desconhecer que, freqüentemente, em nosso país, é no lixo que o luxo mora.

Convivamos com as diferenças, sem esquecer, no entanto, que algumas, em nome de um mundo melhor, podem ser dirimidas.
O primeiro grande passo é romper as barreiras internas que a cultura de guetos tratou de incubar em cada um de nós.
Façamos a nossa parte, hoje, para que possamos dizer, amanhã, que deixamos, como legado, para as gerações futuras, se não a mudança, ao menos a vontade legitima de tornar real a utopia impossível que sempre consagramos, quando nos achávamos aprisionados no labirinto obscuro do preconceito e da discriminação; páginas viradas que a humanidade haverá de contar, um dia, e cujas passagens, um dia, ela mesma cuidará de julgar.

Joice Kelly disse...

e viva a diversidade!

Anônimo disse...

gosteii muitoo do que voce escreveuu

se todos prestassem atençao no escrito por voce o Brasil,mas nao somente o nosso pais,porem o mundo passaria a perceber que o diferente é normal .

Anônimo disse...

na boa muito boa a redação...
só não concordo q a lei seja igual a todos...

JOSÉ disse...

SÓ GOSTARIA DE SABER QUANTO VC TIROU NESSA REDAÇÃO,A DEMAIS ...

Anônimo disse...

Obviamente que, sua redação está bem escrita, obedecendo às regras gramaticais. Entretanto, particularmente, achei o seu argumento muito fraco acabou caindo no senso comum, ou seja, no que, até então todos já têm conhecimento e concordam. Talvez se aprofundasse mais seu ponto de vista, conseguiria persuadir de forma mais satisfatória o leitor. De qualquer forma, parabéns.

Anônimo disse...

adorei a redação
"u até entendo de as medidas do EUA e da França. Esses países não tem a obrigação de abrigar os imigrantes, já que não são nascidos nesses países. Li num livro de Geografia que querem uma França para os franceses, um EUA para os estadunidenses, um Reino Unido para os britânicos... O imigrante vai lá e "rouba" o emprego dos nativos por sujeitar-se a trabalhar por um salário menor. Agora sou totalmente contra a xenofobia, pois violência não combina com a cultura de países desenvolvidos."

não é por isso que eles sao xenofóbicos ;] adik. até pq os nativos de la pegam os melhores empregos e os imigrantes fazem o trabalho que ninguem la quer fazer: faxineiro, garçom...etc.
e outra: a economia deles nao aguentaria sem os imigrantes=P

natalia disse...

parabens cara vc teve um grande desempenho com essa redaçao seus pontos foram otimos!!!e alias vc tbm me ajudou sem kerer com essa redaçao pois minha professora passou o msm tema pra mim(ela pegou do enem)eu estava sem ideias e resolvi da uma olhadinha na net e eu axei!!!sua redaçao esta otima!se vc naum se importa eu peguei uns pedacinhos dela pra complementar a minha redaçao!=D

Poliana disse...

Realmente a exposição do assunto está muito bem feita. Porém vc deixou um pouco a desejar na estrutura do texto, com parágrafos muito extensos e desiguais em termos de linhas.

Anônimo disse...

estou no 3º ano e estou fazendo um texto sobre a dificuldade de conviver com as diferenças, adorei o tema e gostei mais ainda doque vc escreveu, ficou muito bom.bjo

Anônimo disse...

Estou no 2º do ensino médio, e vou fazer uma prova na escola amanhã sobre esse mesmo tema, ainda não faço ideia do que vou escrever, mais seu texto me deu uma "ajudazinha", obrigado =D.

Sara Araújo disse...

Seu texto está muito bom! Mais no entanto você relatou muito sobre o desafio e esqueceu de relatar as soluções que deveriam ser ditas não só na conclusão como você fez, mais principalmente desenvolver soluções no desenvolvimento da redação.
Digo isso como uma crítica construtiva para suas próximas redações.
Um abraço!

Aldey(mineirinha) disse...

Não sei qual foi a sua nota, mas no que depender da sua redação, acredito que foi excelente. Parabéns! Você brilhou!

Anônimo disse...

Tenho que admitir todos esses fatos são verdadeiros e além disso me serviu de exemplo para minha propria redação com este mesmo tema.Que devo dizer não é facíl. Parabéns para Diego Moretto, kelly ohanna

Anônimo disse...

Parabens!sua redacao ficou excelente.adorei..