terça-feira, 15 de janeiro de 2008

O Umbigo Dourado

Desastres naturais, de pequenas e enormes escalas, são responsáveis por imagens tristes e assustadoras de milhares de pessoas desoladas por perderem tudo o que tinham, assim como é lamentável assistirmos reportagens vindas de países paupérrimos da Ásia e África. Todo ano, mobilizações em prol da paz e em prol da ajuda humanitária fazem parte de calendários com festas e realizações com o objetivo de se arrecadar o máximo o possível para que o dinheiro seja revertido para ONGs e instituições que realizam o ato da caridade.

O estranho é que, às vezes, a quantia juntada em tais eventos, sequer beira ao valor de uma obra de arte, por exemplo. A foto em questão neste artigo é de uma bela obra de Pablo Picasso chamada Boy With a Pipe (The Young Apprentice), e que foi leiloada e vendida para um colecionador por mais de US$100 milhões. Aos que me conhecem melhor, sabe o quanto aprecio uma obra de arte. Em meu computador tenho uma pasta no arquivo com mais de mil obras de artistas e exposições que acho fascinante e que não me canso de revê-las.

No entanto, não entendo o porquê de se pagar tanto pela beleza dessas obras. Acho que por serem fantásticas e com um conteúdo histórico sublime, deveriam ser obras sem valor financeiro e que não poderiam ser vendidas. A meu ver, é muito egoísmo querer mante-las em uma sala fechada e particular. Enquanto se gasta milhões e mais milhões em obras de arte ou em produzir importantíssimas peças em ouro, milhares de pessoas morrem todo dia devido à miséria, em tantos países deste mundo.

Será que o ignorante sou eu ao dizer que seria um melhor gasto doar à uma empresa séria e beneficente alguns milhões de dólares do que gastar o dinheiro com quadros ou peças de museu, que a não ser pela beleza, não trará mais nenhum utensílio?

Essa minha atitude na certa é desnecessária. Quando que o egoísmo das pessoas que podem ajudar vai ter finalidade e assim começar uma revolução por um mundo mais confortável?? Claro, não sou hipócrita em dizer que falta apenas dinheiro para que a situação da Etiópia se resolva, por exemplo, mas sem dúvida é um grande começo. Falo tudo isso como um grande capitalista que sou, mas capitalista por viver em um mundo que “nos obriga” a agir como tal, em uma política em que a outra alternativa é pior de se seguir. Mas ao menos, posso ter a são consciência de que ainda não sou um búfalo egoísta deste decadente mundo.

Dica do Post:
Assistam ao delicioso filme "PS. Eu te Amo". Uma história romântica com boas pitadas de humor. No elenco a talentosa Hillary Swank (Menina de Ouro) e o competente Gerard Bultler (300). Ainda em cartaz nos cinemas. Realmente ótimo. Nota:8.5

14 comentários:

Oliver disse...

eu penso que as obras de arte deveriam ficar em museus, para apreciação pública.
Já a doação de dinheiro para fins filantropicos, acho legal, mas não funciona no aqui, no capitalismo, a não ser que o seu produto seja a sua imagem, uam coisa desimportante para os maiores milionarios.

José Vitor Rack disse...

a fome no mundo se deve a uma simples questão de dominação política. os grandes querem seguir mandando. são burros, pois só distribuindo renda terão mercado pra vender suas porcarias...

César Fernández disse...

tô doido pra ver esse filme

Tatiana C. Mendes disse...

Concordo. É mesmo um pecado algumas obras de arte ficarem "trancadas" somente sob apreciação deste ou daquele milionário, o lugar delas deveria ser única e exclusivamente nos museus (mais seguros!).

Acho válida sua atitude. De expor, ou tentar, alguma solução para os problemas da fome, enfim. Mas hoje mesmo li em outro blog algo que concordei. É meio utópico pensar assim, visto que as pessoas que gostam de ter obras de arte, e podem, sempre terão. Existe uma maneira muito simples de resolver muitos problemas que cerceiam o mundo, como a fome: agir! Mas agir aí, ao seu redor, na sua casa, com seus amigos. SE cada um fizesse um pouco, para os que estão próximos, tudo seria mais fácil. Mas não... Ficamos pensando lá... No grande, no todo... E? E... Os problemas estão aí, do seu, do meu lado!

Mas seu apelo é válido, com certeza!

Arne Balbinotti disse...

Realmente meu caro amigo é o fim...
Esses dias eu tava paquerando na net... hehehe...não se preocupe, não vou entrar em detalhes... hahaha...
E o cara me disse que tinha um cachorro, primeiro que eu nao gosto de cachorro, dai ele falou que o cachorro veio sei la de onde e que gasta mais de R$ 300,00 só de ração.
Fala sério né, o cachorro come melhor que eu, sem chance, uma pessoa dessa pra mim é totalmente equivocada.
Mas fazer o que né, o dinheiro é dele, do mesmo modo que quem comprou a obra de arte falaria a mesma coisa pra você meu querido.
O DINHEIRO É MEU, FAÇO O QUE QUISER COM ELE...
Abraços e cuide-se.

DIA 21 DE ABRIL ESTRÉIA A MINISSÉRIE
FOTOGRAFIAS SÃO ETERNAS
ACESSE O BLOG Butique da Severina

http://butiquedaseverina.blogspot.com/

Rafael Portillo disse...

Essa situação toda piora, meu caro, ao saber que uma única pessoa paga esse preço astronomico de um quadro, enquanto a doação a necessitados é os centavos de várias pessoas.

Além do mais, esse "ricos" gostam de se gabar, nem que seja um pouco. E é mais fácil mostrar o quadro que mostrar a doação.

fedoca disse...

É, e aqui em São Paulo tão acabando com o MASP. Depois do roubo, agora a justiça queria fechar por falta de segurança!

Arthurius Maximus disse...

A grande verdade, é que o mundo é assim. O ser humano pouco se importa com os problemas e a fome de quem ele não conhece. A humanidade é vil. Mudar esse estado de coisas só será possível, após muita evolução e muito sofrimento. Quando nós entendermos que a vida e o homem são mais caros e raros do que qualquer outra coisa, a fome e a pobreza extrema assolarão muitos ainda.

Celeste Garcia disse...

Vou ser curta e direta: um sujeito desses que gasta milhões por uma obra não tem o que fazer da vida.
Justamente por obras desse porte terem tamanha importância histórica e artística é que deveriam ficar expostas ao público. O que o indivíduo ganha ao enclausurar sua obra-prima em casa? Status? Orgulho? Um elogio?
Uma das coisas que menos gosto nesse ramo jornalístico é a tamanha ênfase que dão às tragédias. Eles enfatizam SEMPRE os problemas. E as soluções, cadê? O Jornalismo tem que informar e também conscientizar. Apenas fazer estardalhaço e mostrar solução alguma não adianta.
Não é só de dinheiro que quenianos, por exemplo, precisam.
Nós, o que temos feito por eles?
Será que também não queremos um Picasso da vida e sequer nos demos conta disso?

Walace disse...

ps é realmente um delicioso filme... adorei... devolveu a magia em filmes de romance... otimo post como sempre diego...

Botei no meu blog , um luto especial... ve se dá uma olhada lá... e preste homenagens a esse excepcional ator...

Abraçao

Walace disse...

opa... esqueci o site... huahaihauihaiuha

http://clickfilmes.blogspot.com/

abraçao

Fernando Teixeira disse...

Não acho que o dinheiro de obras de arte devessem ser revertidos a caridade. Essa função já é feita por cada cidadão que paga os seus impostos, e estes, por direito, deveriam ser revertidos para o bem da sociedade. Será que o pago em impostos por todos os habitantes do planeta terra não são suficientes para suprir a necessidade humanitária. Certamente sim, o fato é que estas riquesas são mal geridas. Muitas vezes quadros são leiloados e este dinheiro vai para o Estado, que por ingerência ou não, aplica em investimentos desnecessários, ou até investe na qualificação dos meios de exposição cultural.

Se um intelectual egocentrico resolve pagar milhões por algo, é um direito dele, desde que este seja obtido de forma lícita. A obrigação de melhorar a vida dos individuos de uma sociedade é do estado, obvio que nada impede que os cidadãos, conciente de sua cndição possam auxiliar os outros, e isso é sim uma atitude nobre. Porém o julgamento disto deve ser individual.


Há tempos que não visitava este espaço, tanto que não conhecia o novo layot. Ficou otimo, publiquei algo no meu blog, passa por lá..abraço!

Isa disse...

Concordo contigo!! Egoísmo infelizmente faz parte do ser humano!! Cabe a nós sermos diferentes de todo o resto!
PS. Não te vejo faz um tempão!! Saudaaaaaaaaade Diegoboy!! Bj

Diego Moretto disse...

Não quis dizer que os ricos não devem gastar com bobagens e dor para instiuições sua suada (ou não) grana. Tanto porq prego pela independência de cada um, fazer com seu dinheiro oq bem entender. O que eu quis dizer, é que é puro egoísmo pegar uma fascinante obra e guardar em um cofre pessoal ou em uma sala para poder se vangloriar de tal feito. Acho q tais obras devem sim pertencer apenas a museus, para todas, como um patrimonio nacional. O que fazer quando se tem tanto dinheiro?? A minha dica foi ajudar entidades filantrópicas, mesmo que elas já recebam ajuda. Na minha opinião, é uma grana mais bem gasta. bom, penso ter passado mesmo meu ponto de vista. Muito obrigado a todos pelos comentarios e voltem sempre. abraços!!!